Arquivo da tag: internet

III Encontro Nacional de Blogueiros, 25 à 27 de maio, em Salvador (BA)


Democracia, redes sociais, jornalismo na internet, movimentos populares, Marco Civil da Internet, uma nova comunicação. Esses são alguns dos temas que estarão em discussão no III Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas, de 25 à 27 de maio, em Salvador na Bahia.

A estrutura do evento, que deve reunir aproximadamente 500 ativistas digitais de todo o Brasil e de países vizinhos, já está quase toda montada. A comissão nacional organizadora do #BlogProg tem realizado os últimos esforços para garantir alojamento e refeição para todos os participantes.

A inscrição para encontro vai até o dia 11 de maio e pode ser feita clicando AQUI. O valor é de R$ 60,00 para os ciberativistas e de R$ 30,00 para estudantes.

Entre os convidados estão o cineasta, escritor e ativista norte-americano, Michel Moore, os ex-ministros Franklin Martins (Comunicação Social) e Gilberto Gil (Cultura), o jornalista francês Ignácio Ramonet do Le Monde Diplomatic, Amy Goodman, fundadora do movimento Democracy Now, além de vários personagens importantes do atual momento da comunicação e da internet no país.

A programação contará com palestras, seminários e discussões, espaços para oficinas autogestionadas – os interessados devem apresentar sugestões de temas e de debatedores até 4 de maio e ficam responsáveis pela iniciativa – e um ato em defesa da blogoosfera e da liberdade de Expressão, na Praça Castro Alves, região histórica da capital baiana.

Também haverá maior espaço para reuniões em grupo com o objetivo de intercambiar experiências, fazer o balanço das atividades no último período e traçar os próximos passos da blogosfera.

A programação e as inscrições podem ser feitas AQUI

Etiquetado , , , , , , , , , , , ,

Pessoas mal educadas e infelizes com suas vidas são propensas a ficarem viciadas pelo Facebook


Facebook é um site com interface de hábitos, mas os usuários que passam muito tempo online dizem que se sentem menos felizes com suas vidas.

Cientistas da Universidade de Gotemburgo dizem que muitos usuários se transformam assim que fazem login no Facebook e que o hábito transforma-se em um vício.

Pessoas em grupos de baixa renda e mal educadas estão particularmente na faixa de risco do vício. Aproximadamente 85% dos usuários dizem que eles usam o Facebook diariamente – metade diz que entra no site logo quando se conecta a internet.

O estudo sueco entrevistou 1.000 pessoas com idades entre 18 e 73 anos, tentando mostrar o lado negro da rede social. “O Facebook pode se tornar um hábito inconsciente. A maioria dos entrevistados relatou que abre o site imediatamente quando abrem o navegador”, comentou Leif Denti, doutorando de Psicologia da Universidade de Gotemburgo.

As mulheres são mais ativas no Facebook do que os homens e pessoas de baixa renda e baixa escolaridade passam uma quantidade de horas superior às pessoas com uma condição financeira melhor e alto grau de ensino.

A outra surpresa sobre a rede é que as pessoas tendem a publicarem em seus perfis apenas coisas boas, negligenciando coisas ruins que ocorrem em suas vidas. “O Facebook é uma ferramenta social claramente usada para gerenciar relacionamentos com amigos e familiares”, comentou Denti.

“Mas os usuários não escrevem qualquer coisa – a maior parte do conteúdo que compartilham tem algo a ver com grandes eventos, coisas positivas e o fato de se sentirem bem e felizes. Apenas 38% escrevem sobre coisas negativas”, concluiu o cientista.

Fonte: Jornal da Ciência

Siga o blog Rodopiou no twitter e no facebook

Etiquetado , , ,

Fenômeno Kony: redes, manipulação e resposta


Fundadores do grupo Invisible Children com rebeldes Sudaneses eles próprios acusados de graves crimes de guerra contra civis

Como um documentário oportunista tornou-se maior viral da História. Que ele revela sobre ingenuidade na rede e antídotos da colaboração

Por Marina Barros no Outras Palavras

O ineditismo de um vídeo de 29 minutos não é o único fator que faz de KONY2012 um fenômeno da internet. Com mais de 100 milhões de “views” em menos de uma semana, o documentário produzido pela organização humanitária californianaInvisible Children tornou-se o “viral” de difusão mais rápida desde o surgimento da internet, e a campanha de captação de recursos mais bem sucedida dos últimos anos.

Personagens reais, celebridades como Oprah, Rihanna, exércitos de jovens lindos e loiros interagindo com políticos “do bem” compõem uma trama nada simples mas com uma mensagem clara: Precisamos parar KONY! E faremos isso pela mobilização da opinião pública para a autorização da instalação de uma base militar americana em Uganda que vai…parar KONY. (Stop KONY!)

KONY é o vilão, um ditador que, segundo o vídeo, pratica atrocidades contra a população ugandense há mais de 20 anos. Cooptação de menores, mutilações e estupros são alguns exemplos. As imagens e os depoimentos das crianças são de fazer qualquer um marear os olhos.

A organização Invisible Children faz um chamado simples: para continuarem a luta contra o ditador (ou a guerra pela paz na Uganda), é preciso torná-lo conhecido. KONY é o numero 1 da lista da Corte Penal Americana; Torná-lo famoso é o primeiro passo para mobilizar a opinião pública e exigir da Casa Branca o envio de tropas e reforço para o exército local, que luta contra o exército de KONY.

A campanha em si é de tirar o chapéu. Focada em um público jovem e antenado, constrói um mosaico de elementos que tocam o coração: crianças americanas lindas falando sobre o “homem mau”, crianças africanas chorando e pedindo ajuda, artistas e políticos de alta reputação dando credibilidade à causa. Pressão de tempo é outro elemento indispensável: tudo tem que ser feito agora, não há tempo a perder.

A cereja do bolo é o convite para a adesão à campanha: “não queremos o seu dinheiro, queremos sua participação, sua iniciativa em ir às ruas e colar cartazes KONY 2012, juntar-se à multidão no dia 12 de Abril”. A fórmula é infalível e muito bem aplicada, em tempos de Occupy, KONY 2012 é a possibilidade de compra do seu próprio Occupy. Para adquirir o KIT, paga-se 25 dólaras e recebe-se em casa uma caixa contendo cartazes e 2 pulseirinhas, uma para você e outra para presentear.

Até aqui nada de novo, mas vale refletir um pouco sobre KONY 2012.

Um viral que se espalhou com tamanha velocidade foi compartilhado predominantemente por adolescentes meninas (13 a 17) e jovens meninos (18 a 24). Na flor da idade, eles envolveram-se apaixonadamente pela causa de um amigo ugandense da mesma idade – o personagem real que clama por ajuda, gerando uma forte identificação com este público. É inegável o forte engajamento demonstrado por estes adolescentes e jovens, demonstrando sua potência em “fazer justiça pelas próprias mãos”. Mas a ausência de um filtro mais crítico deste público pode ter sido a causa do compartilhamento indiscriminado do vídeo, gerando tamanho sucesso.

Fica evidente que um espectador crítico e atento fará alguns questionamentos ao vídeo. Prova disso foi o “rebote” que este sofreu, com artigos em importantes veículos em menos de dois dias após seu lançamento. A rede não deixa barato, as pessoas não tardaram a buscar a versão oficial, ou melhor, as outras versões. Alguns exemplos podem ser encontrados no Huffington Post e The Guardian.

As críticas frisaram alguns aspectos centrais do viral:

Neo-colonialismo: o vídeo reforça o estereótipo do americano bonzinho que salva a África, “continente de mazelas infinitas”, desconsiderando todas as iniciativas sociais e políticas bem sucedidas de dentro de Uganda. Trata-se de uma postura claramente neo-colonialista. Não são consideradas questões políticas regionais, que agravam o contexto do país. Nem mesmo é mencionada a existência de instituições estabelecidas no pais, como um governo federal, do presidente Yoweri Museveni, que também deveria ser alvo de pressão política. Finalmente, desconsidera-se a responsabilidade das grandes potências pelo que a África é hoje.

Agenda oculta: seria KONY o novo Bin Laden? Qual o interesse em criar uma base militar em Uganda? Quem sabe, descoberta, em 2009, de uma grande reserva de petróleo na região? Talvez, mas eu sempre desconfio de uma agenda oculta, quando há interesses dos Estados Unidos, Reino Unido e ONU. Basta olhar para o Vietnã, o Iraque, a Libia, o Afeganistão e, agora, o Irã. Além de toda a história de apoio a ditaduras militares na América Latina, África e Ásia.

Credibilidade da organização: o relatório financeiro da organização Invisible Children aponta que apenas 30% dos recursos são destinados para as comunidades em Uganda. É claramente o que poderíamos chamar de uma organização social midiática, que vive para e de suas campanhas. Uma reflexão sobre este tema precisa ser aprofundada. O retorno financeiro das campanhas é diretamente proporcional ao investimento em mídia e criação de conteúdo (vídeos, fotos, textos). Não é de hoje que as organizações que adotam investimentos agressivos em imagens e campanhas, são criticadas por captarem mais para seus executivos e publicitários que para os objetos de suas campanhas. Vejam o documentário Enjoy Poverty Please, do artista plástico Renzo Martens, sobre os Médicos sem Fronteira. (http://youtu.be/yREqd8QYtsQ)

A complexidade do funcionamento da rede e das suas relações extrapola uma visão dualista de bem e mau. O episódio KONY 2012 pode ser marcado como uma grande farsa que caiu na rede e virou sucesso. Mas um ilustre desconhecido, David Childerley, chamou atenção para alguns pontos interessantes em seu programa,update 2012 no seu canaldo youtube. No 11/9, lembrou ele, as pessoas demoraram anos e anos para questionar a versão oficial; KONY 2012 levou dois dias para ser desvendado; o próximo viral do gênero não terá mais que seis horas para ser escarafunchado, testado e aprovado – ou não. A rede é implacável, o poder de mobilização é infinito.

Etiquetado , , , , , , , , , , ,

Democracia e participação popular na era da internet


Tenho uma proposta já há algum tempo, talvez utópica, talvez distante, de Democracia direta nas cidades, acabando com a democracia representativa municipal. Traduzindo: fechamento das câmaras municipais e o povo decidindo diretamente as questões municipais. Na praça das pequenas cidades, no melhor estilo grego. E nas grandes? Talvez a tecnologia da informação e comunicação num futuro próximo garanta a possibilidade das pessoas, com segurança (certificado digital para todos, por exemplo), votem e discutam digitalmente as questões municipais. Já que as Câmaras de Vereadores não votam temas importantes e não fiscalizam o Poder Executivo, que suas atribuições sejam retornadas ao povo. Claro que os políticos acham que eu estou ficando louco, mas quem sabe um dia.

Se soubermos utilizar bem os novos meios de comunicação, por que não? Já imaginaram acabar com as Câmaras de Vereadores, que gastam milhões e milhões? Ou até mesmo transferir decisões do Congresso diretamente para a população. Viva a democracia

Continue lendo no BlogdoTarso.com

Etiquetado , , ,

Internet é arma política para 71% dos jovens


Pesquisa mostra que rede se firma como ferramenta de mobilização alternativa

Hoje na Folha de S. Paulo

Descontentes com as instituições políticas tradicionais, os jovens brasileiros consolidaram a internet como instrumento alternativo para mobilização social, mostra pesquisa feita pelo Datafolha em parceira com a agência de publicidade Box.

Para 71% dos entrevistados, é possível fazer política usando a rede sem intermediários, como os partidos.

O dado, segundo especialistas ouvidos pela Folha, revela um esgotamento do modelo tradicional de mobilização e impõe um desafio aos que pretendem assumir a representação dos jovens.
A pesquisa compreendeu uma fase qualitativa, a que se seguiu um painel quantitativo. Neste, foram entrevistados 1.200 jovens com idade entre 18 e 24 anos, em cidades de quatro regiões do país.

“Esse jovem pensa a política de forma menos hierárquica e mostra uma descrença em relações às instituições formais, como partidos ou governo”, diz Gabriel Milanez, pesquisador da Box.
O sociólogo e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirma que “a juventude se comunica diretamente”. “Ela salta instituições. É preciso uma liderança que faça a ponte entre a sociedade e a necessidade de organização institucional”, disse à Folha.
Exemplos desse “salto” ficaram frequentes no noticiário dos últimos meses.

No Egito, por exemplo, a imagem da praça Tahrir tomada por manifestantes organizados pela internet tornou-se símbolo da queda do ex-presidente Hosni Mubarak. No Brasil, em proporção ainda reduzida, o poder de mobilização das redes sociais também já aparece.

Por fora dos partidos e das organizações tradicionais da juventude, organizaram-se protestos como as marchas da Maconha e da Liberdade, assim como o Churrascão da Gente Diferenciada, contra moradores de Higienópolis, na capital paulista, que fizeram oposição à construção de uma estação de metrô.

Para o professor de filosofia da USP Vladimir Safatle, são eventos que apontam para um momento de transição.
“A forma partidária chegou a um esgotamento e as demandas vão se expressar de uma nova forma. Há, no entanto, uma questão em aberto, que diz respeito a como a sociedade vai se organizar a partir daí”, diz.
Marco Magri, um dos coordenadores da Marcha da Maconha e ativista de outros movimentos organizados pela rede, reconhece a “falência” do que chama de “política institucional”. “O descontentamento com esse modelo se reflete no tamanho das mobilizações que anônimos conseguem promover.” “Essa política tradicional está fadada a perder espaço. E a nós caberá o desafio de levar aqueles que se mobilizam na internet às ruas, que é o que provoca algum resultado”, avalia.

(DANIELA LIMA)

Etiquetado , , , ,

Para abafar Bafometrogate, esquema de apoio a Aécio faz guerrilha no Twitter


Do Blog do Lucas Figueiredo

A guerrilha do esquema Aécio nas redes sociais é tão agressiva quanto artificial

O poderoso esquema de apoio a Aécio Neves no Twitter foi despertado do estado de hibernação no qual era artificialmente mantido. Desde o dia 21, está no ar uma campanha contra jornalistas e blogueiros que, diante da omissão da grande imprensa, fazem na internet uma cobertura independente do Bafometrogage.

O esquema é bruto. Em vez de contestar as informações publicadas, o que seria do jogo, parte-se para a tentativa de desqualificação, agressões e ameaças veladas. O objetivo é sufocar o debate e substituí-lo pela troca de ofensas pessoais (essa estratégia chama-se troll).

Se é surpresa? De jeito nenhum.

Vinte e nove dias antes daquela blitz, o blog já tinha alertado que Aécio é “um político que tem dificuldade em digerir críticas”. E antes disso, em dezembro do ano passado, escrevi sobre o pesado esquema pilotado, dos bastidores, por Andrea Neves, para manter sempre polida a imagem do irmão. Vale repetir um trecho do post: “Enquanto à luz dos holofotes Aécio esbanjava charme, simpatia e leveza e, como Tancredo Neves, seu avô, se esmerava em personificar a conciliação na política, Andrea era, nos bastidores, a general de campo de sangrentas batalhas, o tira mau da dupla, o desgraçado dr. Hyde que assumia os pecados do impoluto dr. Jekyll”.

Veja no vídeo-documentário abaixo, Aécio Neves e o Spam, um exemplo de como funciona o esquema de guerrilha pró-Aécio na internet e de como esse esquema é tão agressivo quanto artificial. (No 13º segundo, o vídeo dá uma engasgada, mas depois continua.)

É verdade que a família Neves costuma jogar pesado contra jornalistas que trabalham em redações, como vocês podem ver abaixo no já clássico vídeo-documentário Liberdade, essa palavra, de Marcelo Baêta. (Deve-se a Luiz Carlos Azenha o resgate do vídeo no seu blog, Vi o Mundo). Na blogosfera, porém, a situação é outra. E é justamente isso que está tencionando a horda aecista: o jornalismo investigativo e independente praticado na internet.

Etiquetado , , , ,
%d blogueiros gostam disto: